Ameaça de mobilização se expande e pode atingir Receita nos aeroportos

Mobilização com ato em frente ao Ministério da Economia convocada para a terça (18) e os desdobramentos na Receita são vistos como termômetro para o desenrolar da crise




O Palácio do Planalto começa a semana em meio às ameaças da mobilização prevista para terça-feira (18) dos servidores federais descontentes com o reajuste prometido apenas para agentes da área de segurança. A Receita Federal é o órgão onde a temperatura está mais alta.


Entre auxiliares de Jair Bolsonaro, o receio é que a expansão dos atos para greve e possível contágio em outras carreiras possam impactar ainda mais na rejeição ao presidente, na casa de 60% segundo Datafolha.


Na Receita, a extensão da mobilização para portos e aeroportos não é descartada. "Os portos começam a entrar mais fortemente e o que não gostaríamos de ver começa a se tornar um risco iminente: a mobilização atingir os aeroportos, tanto carga quanto passageiros", diz George Souza, do Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita.


A mobilização com ato em frente ao Ministério da Economia convocada para a terça pelo Fonacate (Fórum Nacional de Carreiras Típicas de Estado), que representa mais de 30 entidades de classe, e os desdobramentos na Receita na semana são vistos como termômetro para o desenrolar da crise.


O presidente do Fonacate, Rudinei Marques, diz que ainda é difícil falar em greve geral, mas caso uma categoria consiga se mobilizar pode contagiar as outras.




Por Folhapress — São Paulo

17/01/2022

Fonte: Valor Econômico