Navio encalha e bloqueia o Canal de Suez, uma das rotas mais movimentadas de todo o mundo

Embarcação tem 400 metros de comprimento, o equivalente a quatro campos de futebol


As autoridades do Egito trabalham para retirar um grande navio cargueiro que está encalhado no Canal de Suez, bloqueando o todo o tráfego de uma das rotas de navegação mais movimentadas de todo o mundo.


A expectativa é que a manobra para desbloquear o canal seja terminada em poucas horas, segundo uma autoridade egípcia. Enquanto isso, mais de 100 navios esperam para retomar as viagens dos dois lados do canal.


Mesmo que o navio seja retirado rapidamente, muitas embarcações que estão paradas na região podem demorar para cruzar o Canal de Suez, o que pode pressionar ainda mais a cadeia de suprimentos global, que já está sob pressão.


O Ever Given ficou preso lateralmente no canal ontem, mostram imagens publicadas nas redes sociais. A embarcação, operada pelo Evergreen Group, com sede em Taiwan, é uma das maiores do mundo. Com 400 metros de comprimento, o equivalente a quatro campos de futebol, o navio pode transportar mais de 20 mil contêineres.


Sites que rastreiam a movimentação de navios e corretores disseram que há mais de 100 navios aguardando para transitar pelo canal, que conecta o Mar Vermelho ao Mediterrâneo. O congestionamento ocorre em um momento particularmente ruim para as cadeias globais de suprimentos.


Fabricantes de automóveis e computadores estão sofrendo com uma escassez mundial de chips, que foi agravada por um incêndio em uma grande fábrica no Japão na semana passada. Montadoras fecharam algumas unidades após uma onda de frio no Texas no início de fevereiro, que prejudicou a produção de plásticos.


O Canal de Suez é uma rota comercial vital para navios petroleiros e para as embarcações que transportam contêineres entre a Ásia e a Europa. Cerca de 19 mil navios cruzaram a passagem em 2020, de acordo com a autoridade responsável pelo local.


Os preços do petróleo no mercado internacional subiram mais de 2% no início do pregão de Londres. O movimento foi atribuído por alguns analistas às preocupações de que o problema no Canal de Suez possa atrapalhar os embarques dos barris.


Esta não é a primeira vez que um navio encalha no meio do Canal de Suez. Em 2004, a passagem ficou fechada por três dias após um navio-tanque ter ficado preso no local. Doze anos depois, em 2016, outra embarcação não conseguiu avançar pelo canal. No ano seguinte, os rebocadores precisaram atuar mais uma vez para retirar um navio de contêineres.


Operadores de navegação ocasionalmente desviam os navios para o Cabo da Boa Esperança e contornam a África para evitar gargalos. No entanto, as viagens podem demorar duas semanas a mais. Os custos com o frete também ficam mais caros.


A Leth Agencies, um provedor de serviços marítimos do Canal de Suez, informou que sete rebocadores e um escavador estão sendo usados no momento para tentar movimentar a embarcação encalhada.


“Se não funcionar, o navio deve ser parcialmente descarregado para que fique mais leve”, disse Fotis Pagoulatos, um arquiteto naval de Atenas, que já participou de operações similares. “Isso pode levar dias.”


A Autoridade do Canal de Suez não respondeu aos pedidos para comentar o caso. Um porta-voz do Evergreen disse que o navio foi provavelmente atingido por fortes rajadas de vento, que fizeram com que ele se desviasse do curso do canal e encalhasse.


O Ever Given é de propriedade da japonesa Shoei Kisen e é operado pelo Evergreen em um contrato de longo prazo. De acordo com dados de navegação, ele estava transportando produtos da China para Roterdã, na Holanda.


Por Dow Jones Newswires — Nova York e Cairo

24/03/2021

Fonte: Valor Econômico